segunda-feira, 2 de março de 2009

O Espírito e os seus atributos e ações pessoais.

Provar a existência da trindade não é uma tarefa fácil. A sustentação desta doutrina depende de uma série de hipóteses que os trinitarianos tentam provar. Se uma destas hipóteses não for verdadeira, toda a doutrina está comprometida. É como uma corrente de vários elos: se um elo se romper a corrente fica inutilizada. 

Uma das hipóteses sob a qual a doutrina da trindade se fundamenta é que o Espírito Santo é uma pessoa, assim como o pai e o filho são pessoas. O argumento utilizado para tentar provar que o Espírito Santo é uma pessoa foi elaborado sobre versos bíblicos onde adjetivos (atributos) e verbos (ações) relacionados ao Espírito são típicos de seres pessoais. 

Por exemplo: "Não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para dia da redenção." Ef. 4:30. "Do mesmo modo o Espírito nos ajuda em nossa fraqueza: porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inexprimíveis." Rm: 8:26. "Porque não sois vós que falais, mas o Espírito de vosso pai é que fala em vós." Mt. 10:20

Apenas uma pessoa pode se entristecer", alegam os trinitarianos. "Só uma pessoa pode ajudar, interceder e falar", afirmam eles. Os defensores da trindade afirmam que o Espírito de Deus se entristece, ajuda, intercede e fala, então ele é uma pessoa divina! Toda lógica deste argumento baseia-se na seguinte premissa: se uma ação atribuída a uma entidade for uma ação de caráter pessoal, então tal entidade será um ser pessoal, ou seja, uma pessoa. 

Será que esta premisa é sempre verdadeira? se não for, então o argumento será falacioso. A bíblia é um livro rico em símbolos e linguagem figurada. Uma das figuras de linguagem e de estilo empregada pelos autores bíblicos é a prosopopeia também conhecida como personificação. Através desta figura de linguagem uma entidade impessoal recebe atributos de um ser pessoal. 

Quando digo"hoje o dia está triste" estou usando uma figura de estilo. Quem fica triste é um ser pessoal e o dia, como sabemos, não é uma pessoa, então ele pode estar chuvoso, nublado, frio, mas não literalmente triste. Não é apenas na linguagem cotidiana que usamos muitas prosopopeias, na bíblia também há vários versos que usam esta figura de estilo. 

Vejamos alguns versos: "Os montes e os outeiros romperão em cânticos diante de vós, e todas as árvores do campo baterão palmas."- Is. 55:12 Você já viu uma montanha cantando ou uma árvore batendo palmas? quem canta e bate palmas são pessoas apenas. No entanto este verso de Isaías usa a personificação para ilustrar a mensagem que pretende transmitir, não para afirmar que montes, outeiros e árvores sejam seres pessoais. 

Tente contar quantas prosopopeias o seguinte verso contém: "encontraram-se a graça e a verdade, a justiça e a paz se beijaram. Da terra brota a verdade, dos céus a justiça baixa o seu olhar." Sl. 85: 10 e 11 A justiça e a paz têm boca para poderem se beijar? a verdade é um vegetal para poder "brotar" da terra? e o que dizer da justiça que sabemos que deveria ser cega e aparece aqui baixando o seu "olhar"? os trinitarianos ignoram o fato de que a bíblia foi escrita em linguagem figurada e por isso interpretam literalmente os atributos e ações pessoais atribuídas ao Espírito Santo. 

O fato de alguns versos atribuírem ao Espírito Santo adjetivos e ações típicas de um ser pessoal não significa que o Espírito Santo seja um ser pessoal. Uma das provas deste fato está nos muitos exemplos de atributos e ações pessoais atribuídas também a espíritos de seres humanos. O espírito do apóstolo Paulo orava: "o meu espírito ora de fato." 1ª co.14: 14. Como um espírito (pneuma) de homem pode orar se esta é uma ação pessoal? seria porventura, o espírito de Paulo uma segunda pessoa, além de Paulo? o verso seguinte explica: "orarei com meu espírito... Cantarei com meu espírito." 1ªco. 14: 15. 

É claro que quem orava e cantava era o próprio Paulo, mas de forma figurada foi dito que o espírito de Paulo é que orava. Lucas, autor do livro de Atos, relatou que o espírito de Paulo se revoltou At. 17:16 "Enquanto Paulo esperava em Atenas, o seu espírito se revoltava em face da idolatria dominante da cidade". Ora, revoltar-se é uma ação pessoal. Só um ser com autonomia e percepção poderia se revoltar, mas a bíblia diz que o espírito de Paulo se revoltou. Seria, porventura, o espírito de Paulo uma entidade pessoal independente do seu possuidor (Paulo) ou Lucas estaria usando uma prosopopeia? 

Se usarmos a forma de interpretação bíblica adotada pelos trinitarianos chegaríamos à conclusão de que o espírito de Paulo foi uma pessoa, pois ao espírito de Paulo foram atribuídas ações pessoais. Mas claro está que o autor utilizou uma figura de linguagem ao dizer que o espírito de Paulo orava e se revoltava. Quem se revoltou com a idolatria da cidade foi o próprio Paulo. 

Há muitos outros exemplos na bíblia onde espíritos de seres humanos são descritos com atributos pessoais ou realizando (ativa ou passivamente) ações típicas de seres pessoais. A seguinte lista apresenta alguns exemplos de espíritos de seres humanos aos quais é atribuído alguma ação ou atributo de natureza pessoal. 

Espírito de faraó- foi perturbado (Gênesis 41: 8.) Espírito de Ciro- foi despertado (Esdras 1:1.) Espírito de Jó- (suga) o veneno (Jó 6: 4.) Espírito de Zofar- responde por Zofar (Jó 20: 3.) Espírito de Asafe- desfalece ( salmo 77: 3.) Espírito de Davi- desfalece ( salmo 143: 7.) Espírito de Isaías- buscou a Deus (Isaías 26: 9.) Espírito de Ezequiel- excitou-se (Ezequiel 3: 14.) Espírito de Nabucodonosor- perturbou-se (Daniel 2: 1-3.) Espírito de Paulo- revoltou-se (atos 17: 16.) Espírito de Paulo- Ora e canta (I cor. 14: 14 e 15.) Espírito de Paulo- recreou-se (Iª cor 16:18.) Espírito de Tito- recreou-se (II cor. 7:13.) 

Concluímos que quando a bíblia diz que o espírito de alguém se entristeceu, então se trata de uma figura de linguagem chamada prosopopeia ou personificação. Literalmente, quem se entristeceu foi a pessoa, o possuidor do espírito, não literalmente o seu espírito. Quando o salmista diz que o seu espírito estava amargurado, na realidade quem estava amargurado era o próprio salmista. Isso vale também para o Espírito de Deus. Quando alguém diz que mentiu para para o espírito de Deus, na verdade isso significa que mentiram para o próprio Deus. 

Esta verdade é facilmente verificável no relato da experiência de Ananias e Safira em atos 5: " Disse então Pedro: Ananias, porque encheu Satanás o teu coração para que mentisses ao Espírito Santo, retendo parte da propriedade?" At. 5: 3 o verso seguinte esclarece para quem, de fato, Ananias estava mentindo: "Não mentistes ao homens, mas a Deus."- Atos 5:4 Quando a bíblia diz que o Espírito intercede, certamente está se referindo a Cristo pois este é o nosso único intercessor e mediador:

 " Porquanto há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus, homem." 1ª Tm. 2: 5 " É Cristo Jesus quem morreu, ou antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós." Rm.. 8: 34. Na visão dos trinitarianos as ações e qualidades pessoais atribuídas ao Espírito Santo consistem numa prova de que o Espírito Santo é uma pessoa. No entanto,os trinitarianos ignoram completamente o fato de que ações e atributos impessoais também são atribuídos ao Espírito Santo. 

Se a pessoalidade da qualidade ou da ação fosse prova da pessoalidade do sujeito a quem as qualidades ou as ações são atribuídas, então, através dos atributos impessoais, poderíamos demonstrar que o Espírito Santo não é uma pessoa. Considere alguns exemplos: 

Em vários momentos Deus prometeu derramar o seu Espírito: "Derramarei o meu Espírito sobre a tua raça." Is. 44: 3. "porque derramarei o meu Espírito sobre a casa de Israel" Ez. 39: 29. "Derramarei o meu Espírito sobre toda a carne... também sobre os servos e sobre as servas naqueles dias derramarei o meu Espírito."  Jl 2:28-29. 

Uma pessoa pode ser derramada sobre a outra? logicamente não! Em atos 10: 38 Lucas afirma que Deus, o pai, ungiu Jesus "com o Espírito Santo". É possível ungir uma pessoa com outra? literalmente podemos ungir alguém com óleo, azeite, perfumes, unguentos, mas não com uma outra pessoa. Numa outra situação o Espírito Santo apareceu sendo "soprado" por Cristo: "Dizendo isto, soprou sobre eles e disse: recebei o Espírito Santo" Jo. 20: 22

Uma pessoa pode ser soprada sobre outra? É claro que não! Os trinitarianos são bem rápidos para associar ações pessoais ao Espírito Santo, mas ignoram totalmente as ações e atributos impessoais. Por que ignoram? porque tais atributos não contribuem para demonstrar a tese proposta por eles. Sei que há muitos trinitarianos honestos e sinceros. Eles nos devem uma explicação bem clara sobre os motivos que os levam a continuar usando este frágil argumento para tentar provar a pessoalidade do Espírito Santo. 

Ficou demonstrado aqui que um argumento que ignora a linguagem figurada da bíblia é tão sofrível que o mesmo poderia ser usado para demonstrar que o Espírito Santo é um ser pessoal.

Nenhum comentário: